Postagem em destaque

Caminhão da Micapel explode após bater em guarita da Polícia Rodoviária Federal, em Neves

Um caminhão bitrem pegou fogo após colidir em uma guarita da Polícia Rodoviária Federal na manhã deste domingo no km 507 da BR-040, no ba...

terça-feira, 17 de abril de 2018

Paraguaios pegos fabricando cigarros em Abaeté não eram escravos, afirma delegado


Cigarros falsificados foram apreendidos em fábrica clandestina em Abaeté no dia 4 de abril (Foto: Polícia Militar de Abaeté/Divulgação)

A suspeita de que o grupo de paraguaios detidos no início de abril em uma fábrica clandestina de cigarros em Abaeté era vítima de trabalho escravo está descartada. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (16) pelo delegado da Polícia Civil Rodrigo Noronha.

Pelo menos 15 paraguaios dois brasileiros foram encontrados no dia 4 de abril em um imóvel no Povoado de Tabocas, zona rural da cidade. Com eles foram apreendidos 270 mil maços de cigarros com rótulos de três marcas. A polícia apurou que os produtos eram levados para São Paulo.

Na época, a Polícia Civil informou que havia a suspeita de que os estrangeiros eram vítimas de trabalho escravo, pois no local foram encontrados indícios de que eles eram impedidos de sair e tinham o sinal de celular bloqueado.

Ainda conforme a polícia, eles chegaram a relatar que foram trazidos ao Brasil com a proposta de trabalho em costura no Estado de São Paulo, mas depois tiveram os olhos fechados e foram levados para Abaeté.

Estrangeiros e brasileiro foram detidos no início de abril em Abaeté (Foto: Polícia Militar de Abaeté/Divulgação)

Entretanto, as investigações apontaram que alguns dos paraguaios já haviam sido presos anteriormente.

"Dentre os 15 paraguaios que estavam trabalhando lá, quatro deles já tinham sido capturados outras vezes em Montes Claros [Norte de Minas], fazendo a mesma atividade. Então denota-se que estavam ali voluntariamente. Eles tinham dinheiro próprio e não tinha vigilância armada. Então, no contexto em si que foi apurado, essa questão de trabalho escravo, está descartada", afirmou o delegado.

O delegado Rodrigo Noronha informou que, depois de ouvidos, todos os detidos obtiveram liberdade provisória da Justiça e estão soltos desde o dia 5 de abril.

Pedido ao consulado

Ainda segundo Noronha, o Consulado do Paraguai foi contatado para que a polícia seja acionada para acompanhar o caso no país vizinho. O G1 entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil e o consulado e aguarda posicionamento.

ABAETÉ



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.