Postagem em destaque

Outro jovem é executado com cinco tiros dentro de casa e se torna a 18ª vitima em Pompeu esse ano.

O jovem Welerson Carlos da Silva foi morto dentro de sua casa em Pompeu, o corpo foi encontrado pela mãe na tarde desta segunda. Segundo a...

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Operação Fênix transforma relacionamento entre polícias Militar e Civil em cinzas.

Resultado de imagem para fenix

Amália Goulart / 27/12/2017 - 06h00: 
A operação Fênix, deflagrada no último dia 19, criou um racha entre as polícias Civil e Militar. O problema caiu no colo do governador Fernando Pimentel (PT). Toda a direção da Polícia Civil (PC) assinou um documento, encaminhado ao petista, no intuito de dar ciência do que considera “fatos graves”. 
A revolta vem da prisão de policiais civis, dentre eles, delegados, feita por policiais militares e rodoviários federais. A Polícia Civil contesta a ação por entender que ela poderia ser feita apenas pela própria corporação. É que em 2015 as polícias assinaram uma espécie de acordo, Resolução Conjunta 196, que prevê a detenção de policiais apenas pela entidade em que são lotados. 
“O combate a ilegalidade se faz em estrito cumprimento a lei. Nesse aspecto a atuação da Polícia Militar desrespeitou o disposto na Resolução Conjunta 196/2015, instrumento assinado pelo Comandante Geral da Polícia Militar, juntamente com o Secretário de Estado, Chefe da Polícia Civil e Comandante do Corpo de Bombeiros Militar, a qual determina que a condução de integrante dessas instituições deve se dar pela própria instituição, de forma a garantir uma cooperação e boa relação entre as forças de segurança, situação essa desejada por todos nós mineiros. A Polícia Civil, até por atuar sempre nos ditames legais, cumpre com rigor o disposto na mencionada Resolução Conjunta e cobra firmemente das demais instituições a mesma observância”, diz trecho do documento assinado pela cúpula da PC.

Resultado de imagem para pc vs pm
Nele, os delegados e inspetores pedem ao comandante Geral da Polícia Militar e à Corregedoria a “instauração de instauração de procedimento disciplinar contra os comandantes das áreas envolvidas pela inobservância do disposto na resolução”. A PC também acionou o Conselho Nacional de Justiça e o Ministério da Justiça, para providências envolvendo a Polícia Rodoviária Federal. 
Entre os delegados que assinam o documento estão o Chefe da Polícia Civil, João Octacílio Silva Neto, e o adjunto, Rogério de Melo Franco Assis Araújo. 
A operação Fênix contou com a atuação de 500 policiais militares e 150 policiais rodoviários federais. Foram cumpridos 200 mandados, sendo 136 de prisão preventiva. Dez dos presos são delegados. 
A ação foi desencadeada pelo Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). O Ministério Público acusa os envolvidos de crimes como falsidade ideológica, corrupção passiva e ativa, roubo, obstrução à Justiça e até tráfico de drogas.
A Fênix teve como base a cidade de Uberlândia, no Triângulo Mineiro. 
O delegado Rogério de Melo expediu um memorando a todos os chefes de departamentos da Polícia Civil pedindo, em um prazo de 24 horas, informações sobre possíveis arbitrariedades cometidas durante a operação. 
A Polícia Militar, por meio de nota, informou que “apoiou uma operação de titularidade do Ministério Público. As conduções foram determinadas em ordem judicial, que tem força de lei”.
Ou seja, nas entrelinhas fica a ideia de que um acordo entre as corporações não tem força de lei. 
Enquanto as policias brigam a violência avança em Minas Gerais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.