Postagem em destaque

Vitima morta em Bom Despacho tinha só 15 anos e se chamara Ingridi, diz Policia.

A Policia Civil de Bom Despacho identificou nesta segunda a vitima encontrada morta com diversas facadas e com o corpo queimado. Segun...

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Nota de apoio aos Policiais que mataram dez bandidos em confronto

O sacrifício da própria vida em prol da segurança do cidadão é o juramento primordial do policial civil. Pela Lei e pela Ordem, ele deixa o conforto do lar e o seio familiar sem a certeza de que irá retornar, preparado para atender ao cumprimento do dever sob qualquer que seja a circunstância. Dito isso, é importante que a operação realizada pela Polícia Civil no último domingo, 27, seja analisada sob uma ótica sóbria e imparcial.
Em primeiro lugar, deve-se ressaltar que a investigação é a matéria-prima do trabalho empenhado pela Polícia Civil, envolvendo a competência e o profissionalismo de homens e mulheres preparados e bem treinados. Esse é um efetivo que movimenta um grande esforço de logística, estratégia, paciência e pontualidade, uma vez que os trâmites que orbitam a investigação são indispensáveis para que os casos tenham um desfecho definitivo e justo junto à Justiça. Por outro lado, esse trabalho também precisa atender aos anseios da população, já tão farta da insegurança e da impunidade que assolaram as instituições do país.
Para além, o entendimento dos fatos ocorridos no confronto do Morumbi precisa considerar que aquela era uma quadrilha investigada há meses pelos policiais, tida como perigosa, bem armada e de atuação criminosa constante. A operação policial, ainda assim, iniciou-se partindo do pressuposto de que o confronto deveria ser evitado a todo custo, pensando-se sobretudo nas vidas dos policiais e dos cidadãos envolvidos nas localidades do evento.
A equipe policial foi então recebida, após perseguição, pela iminência de uma tentativa de atropelamento provocada pelos criminosos, seguida de uma troca intensa de tiros. Em nenhum momento, os policiais agiram como executores. Pelo contrário, estavam lutando por suas vidas em uma frente de combate restrita e improvisada. É preciso que isso fique claro, uma vez que o caso despertou dúvida, susto e, infelizmente oportunismo em alguns setores da sociedade e da imprensa. Não houve falta de preparo ou cuidado, não houve qualquer reação exacerbada e muito menos descaso aos moradores ali próximos. A possibilidade de confronto é sempre presente nesse tipo de operação, cabendo aos policiais envolvidos o uso da força restrito à proteção de seu efetivo durante os procedimentos, bem como sua suspensão no imediato momento em que a vida de algum civil estiver em risco.
Além disso, os policiais do Departamento de Investigações Criminais, o DEIC, tiveram trabalho reconhecido e congratulado pela própria população ali presente, que os recebeu com alívio e gratidão, apesar dos momentos dramáticos que antecederam o fim da operação.
Portanto, é de suma relevância que se reitere que a atuação da Polícia Civil se deu para a preservação das vidas de seu efetivo, conduzida, ainda que em situação de emergência, para que os riscos fossem ponderados e firmemente considerados, em especial no caso da presença de civis alheios à operação. Nenhum policial ali presente se felicitou com o confronto. Não há homem ou mulher que enxergue alegria na possibilidade de não poder retornar à segurança do lar e da família.
A Polícia Civil tem consigo, na figura do delegado de polícia, a primeira garantia dos direitos do cidadão. Valor que estima, resguarda e leva adiante junto a seus profissionais de todas as carreiras. O cumprimento do dever passa de maneira inexorável pela manutenção da Lei e da Ordem realizada com empenho e alinhamento aos princípios mais básicos da Constituição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.