Postagem em destaque

Bolsonaro envia um alô para o povo de Pompeu

Bolsonaro recebeu em seu gabinete o Presidente da Câmara Municipal de Pompéu Vereadir Paulo do Bar, na oportunidade mandou um abraço para ...

sábado, 17 de dezembro de 2016

Tribo vai até os deputados para tornar Pompeu e Martinho Campos terra de Indio.


Processo foi suspenso, o que afetou solução para crise hídrica, diz ALMG.
Povo Kaxixó vive no município de Martinho Campos.

Do G1 Centro-Oeste de Minas Gerais
Audiência ocorreu nesta quinta-feira (15). (Foto: Pollyanna Maliniak/Divulgação)Audiência debateu plano para demarcar território
indígena (Foto: Pollyanna Maliniak/Divulgação)
Uma audiência na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) discutiu, nesta quinta-feira (15), o plano que visa a demarcação do território indígena da tribo Kaxixó, cuja aldeia fica em Martinho Campos. O projeto foi suspenso pela Justiça após uma ação movida pelo Estado e pelo Município.
De acordo com a coordenadora do Plano de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) do povo Kaxixó, Vanessa Caldeira, a suspensão prejudica a solução para a crise hídrica. "Com a judicialização da questão, o processo foi suspenso e os índios vivem hoje em confinamento, ocupando somente 0,3% da área identificada para a demarcação", disse.
Caldeira explicou que o PGTA é fruto da política nacional para os povos indígenas. O plano para os kaxixós, ressaltou ela, é um dos primeiros gerados no País fora da região Amazônica e voltados para os biomas da caatinga e do cerrado. Foi aprovado recentemente no Ministério do Meio Ambiente e na Fundação Nacional do Índio (Funai).
A coordenadora do plano cogitou que a posição contrária do Estado junto à Justiça Federal, supendendo o processo relativo aos kaxixós, estaria apoiada no fato de que, uma vez demarcado o território indígena, sua gestão passaria para a esfera da União. Ela ainda lembrou que a área já esteve no centro de um projeto, hoje suspenso, da instalação de uma hidréletrica que inundaria parte do território identificado para a demarcação.
Problemas hídricos
A coordenadora e os kaxixós presentes na audiência fundamentaram que o plano em é fundamental para conter graves danos ao meio ambiente e à qualidade de vida que já atingem o território indígena nas margens do Rio Pará.
Diagnósticos feitos durante o projeto para a formulação do plano mostraram que os índios não dispõem mais de água potável e dependem de caminhões-pipa para o abastecimento. Foi ainda constatado que a região sofre com a erosão de terras, com a sobrepesca e com a tendência à monocultura do eucalipto, que já ocuparia boa parte da área, além da existência de dois loteamentos irregulares que, segundo Vanessa, estão dentro do território indígena identificado para a demarcação e cuja área total é de 5.411 hectares.
"De que adianta dinheiro se não vai ter a água, o cerrado, o ar?", questionou o vice-cacique da comunidade Kaxixó, Altair Teodoro da Silva. "O PGTA é um plano rico para a nossa cultra e para preservar a natureza e o meio ambiente", acrescestou o cacique Nilvando de Oliveira. Segundo eles, 98 índios moram na aldeia, mas outros mais de 400 vivem no entorno ou na cidade.
A coordenadora técnica estadual da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Márcia Zanetti, classificou como preocupante o fato e defendeu esforços urgentes dos vários órgãos envolvidos para buscar alternativas e projetos que venham reverter a situação.

2 comentários:

  1. Esses são falsos índios que saiba índios natural e morenos e tem olhos puxados esses se diz são malandros safados querendo receber grana Federal e terra de graças

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se fossem falsos índios não receberiam apoio dá Funai. Moro em Martinho Campos e atesto a veracidade. Se informe mais antes de fazer comentários descabidos.

      Excluir

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.