Postagem em destaque

Caos se instala no saneamento e na limpeza publica de Pompeu.

O blog compareceu nas imediações da Praça de Esportes de Pompeu onde o esgoto esta refluindo e correndo pelas imediações. Na Rua Inácio Co...

segunda-feira, 6 de maio de 2013

A versão dos indios Caxixos de Pompéu e Martinho Campos

Indios Kaxixó - UFMG/Divulgação

Os Kaxixós são um grupo indígena que habita o município brasileiro de Martinho Campos, no estado de Minas Gerais, mais precisamente na Terra Indígena Kaxixó.


01
Por muito tempo, os Kaxixó foram conhecidos como “Índios Caboclos da Vargem do Galinheiro”, hoje um bairro da cidade de Pompéu, antes conhecida como “Buriti da Estrada”, local de passagem obrigatória para os tropeiros, que lá se abasteciam com as galinhas criadas pelos “índios caboclos”. Os atuais Kaxixó são assim fruto da miscigenação de indígenas até então vivendo em liberdade com escravos de vários etnias, escravos negros e brancos da família da Dona Joaquina.
02
O Capão do Zezinho, principal concentração do grupo, se localiza no município de Martinho Campos, na margem esquerda do Rio Pará, região centro-oeste de Minas Gerais, a 15 km do povoado de Ibitira, que por sua vez dista 180 km de Belo Horizonte. Capão do Zezinho é um pequeno vilarejo, com muitas árvores frutíferas e casas de alvenaria, água encanada e energia elétrica. Ao centro há um templo católico, ao lado da casa de ritual e do rancho de festas, ambos cobertos de capim e sem paredes. O primeiro é destinado às suas danças tradicionais e missas, enquanto o segundo é destinado aos festejos e comemorações. Neste vilarejo têm ainda um edifício onde funciona uma escola. Nas proximidades do Capão do Zezinho há outros três lugarejos de posse dos Kaxixó, que é a Fazenda Criciúma, Pindaíba e Fundinhos, estes dois últimos na Fazenda São José.
Os Kaxixó foram oficialmente reconhecidos como grupo étnico. Sua principal luta é pela conquista de suas terras tradicionais, sob posse de vários fazendeiros. Reivindicam uma área de 27.150 ha, enquanto atualmente ocupam insuficientes 35,28 hectares.
Após algumas denúncias por parte dos Kaxixó de fazendeiros destruindo sítios arqueológicos do seu território tradicional, foram iniciados levantamentos nos municípios de Martinho Campos e Pompeu, na região da Bacia do Baixo Rio Pará. Quinze sítios arqueológicos foram encontrados, sendo sete pré-coloniais e oito históricos, compostos por grandes fragmentos cerâmicos e estruturas de fornos, além de instrumentos líticos polidos, tais como machadinhas, batedores, mão de pilão e quebra-cocos. A identificação e comprovação destes sítios arqueológicos no território tradicional dos Kaxixó foi como uma injeção de ânimo na sua luta pelo reconhecimento étnico oficial.
Existe um espaço comunitário onde todos se encontram é chamado de a grande tenda e o grupo funciona como uma associação de moradores que perseguem um meio de vida tranquilo e o reconhecimento da história indígena. A maioria dos moradores são crianças, adultos e velhos. Os jovens andam buscando novas oportunidades em grandes centros urbanos de estudos e empregos. As mulheres cuidam do lar e dos problemas diários do vilarejo, os homens em sua maioria trabalham em fazendas próximas com vacas e atividades relacionadas a pecuária.
Existem algumas festas em que todos reúnem e tem uma relação com a cultura religiosa. Eles têm o hábito de se reunirem na grande tenda para jogos, comida, música. O artesanato está esquecido. Vimos apenas uma das senhoras com grande envolvimento com brincos e colares.
Ninguém mais fala o idioma nativo e não é de praxe darem nomes indígenas a seus filhos.
Só é possível o acesso à aldeia de carro, que alguns moradores possuem. Mas eles têm acesso fácil a todos os equipamentos. Moram perto de Martinho Campos. A internet eles usam na escola.
As terras não estão regularizadas e existe a conversa de um planejamento que cobrirá parte do vilarejo de água, por causa do rio Pará e ainda, percebi uma especulação imobiliária por perto. Um grande condomínio com casas suntuosas.
Têm uma boa relação com a cidade de Martinho Campos, inclusive para participarem de rodeios. Mas tentam evitar a entrada de pessoas que possam influir o vilarejo com drogas e outros maus hábitos.
São católicos, mas ainda conservam algumas crenças ancestrais, como o uso de remédios tradicionais. A alimentação é a base de peixe, frango e arroz. Quem mora lá, atualmente tem orgulho de sua origem, por causa de um trabalho de militância de um Cacique, já falecido, de nome Djalma.
RELATO DA EXPERIÊNCIA
03
Após todos as devidas providências, confirmações e esclarecimentos entre a ATEBEMG – ASSOCIAÇÃO DE TEATRO DE BONECOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS E A ALDEIA DO CAXIXÓS a respeito do PROJETO PORANDUBA, que teve como objetivo principal possibilitar um trabalho de formação em Teatro de Bonecos com comunidades indígenas, chegamos à Aldeia dos Caxixós.
Assim, que chegamos, reparei no aspecto acolhedor e familiar do vilarejo. Ficamos hospedados na casa de uma das lideranças da aldeia, Jaciara. As ruas de terras com suas casas de tijolos e cimento, lembra pequenos vilarejos. Cachorros e galinhas ziguezagueando por todos os lugares. Assim que chegamos (Cauê, Zina e Priscila, a fotógrafa) fomos recebidos com um sorriso no rosto, uma expressão de curiosidade e uma festa com peixe na brasa, no local da grande tenda. Todos empenharam em facilitar todo tipo de recurso que precisamos durante a oficina.
A aceitação da comunidade em relação à oficina foi grande. E ainda expressaram o desejo que mais atividades culturais acontecessem lá.
04
O local que iniciamos a oficina é a antiga escola de Capão do Zezinho e muito próximo de onde ficamos hospedados. Os participantes eram mulheres, de 12 a 50 anos, e de etnia mesclada, mas em sua maioria, com fortes aspectos físicos de etnia indígena Caxixó.
Assim que fizemos as apresentações iniciais sobre o Projeto Poranduba, o Prêmio Myriam Muniz, a ATEBEMG, passamos para apresentações individuais. Duas professoras de Martinho Campos foram convidadas para integrar a oficina. Apenas essas, traziam uma experiência básica de teatro de bonecos. Após as apresentações e respostas às primeiras dúvidas, fizemos atividades lúdicas que proporcionassem uma comunicação sem as palavras, o que facilitaria nosso objetivo de trabalhar em grupo e com a sensibilidade artística de cada participante. Aplicamos alguns jogos teatrais.
Após fizemos exercícios com jornais e fita crepe. Criamos protótipos para demonstração de como expressar-se com o boneco e os primeiros exercícios de manipulação.
05
Já no dia seguinte, apresentamos as apostilas e comentamos o seu conteúdo e ilustração. Após as atividades de aquecimento corporal e motora, todos começaram a criar uma mesma história em um círculo. Depois, criaram histórias em grupo já pensando em construir bonecos.
Apareceram três boas histórias que refletiam a realidade daquela Aldeia/ Vilarejo: a história da comunidade e sua vida pacata com galinhas, vacas e festejos, a história do caboclo d’água, a história da conscientização da comunidade Caxixó e da sua origem indígena através da figura emblemática do cacique Djalma, falecido há alguns anos.
Discutimos sobre estrutura narrativa, personagens, conflitos, entre outros  itens importantes em uma boa  dramaturgia de teatro de bonecos. Falamos sobre as possibilidades de retratar através da plasticidade móvel do boneco diversos aspectos do texto, conforme o significado procurado: cores, tamanhos, materiais, formas entre outros elementos. Trocamos as histórias de grupos.  Cada grupo assumiu a outra história que tinha escutado, e ainda com jornal e fita crepe os participantes criaram uma primeira ideia da história com princípio, meio e fim.
06
As técnicas de manipulação foram definidas conforme a exigência do boneco e da história. Depois de definida a história, todos desenharam o boneco que fariam para a peça. A confecção do boneco definitivo durou de dois a três dias.  E como eram três histórias, assim  que os primeiros bonecos definitivos ficaram prontos começamos a criar as cenas e explorar com mais detalhes a manipulação.
07
Paralelo à oficina, montamos uma caixa cênica, que permite o uso com diversas técnicas de bonecos e que ficou na aldeia do Capão do Zezinho. Transportamos a caixa cênica  para a grande tenda do lugar, onde seria apresentado o resultado final da oficina e lá começamos os trabalhos de finalização das histórias, com sons e músicas e com truques simples de luzes.
Dia 30 de novembro de 2012, pela primeira vez, as mulheres de Capão do Zezinho apresentaram as três histórias criadas com uma grande empolgação e deixando-se levar pelo encantamento da linguagem do teatro de bonecos.
08
No último dia tivemos a apresentação da peça “Êh Boi” do Grupo Kabana, também composto de sócios da ATEBEMG. A apresentação foi acolhida por todos como se a comunidade nunca tivesse visto algo igual.
09
Nossa lembrança mais bonita foi a visão apenas da Caixa Cênica iluminada no breu do lugar onde estávamos, com as mulheres que fizeram a oficina, jogando com os seus bonecos e histórias construídas, envolvendo todos os presentes em um lugar pacato com a terra vermelha batida.
O maior desafio foi conseguir que pessoas que nunca fizeram, ou brincaram juntas de teatro de bonecos, encarassem a brincadeira e a criação das histórias e bonecos como uma coisa séria, que merecia uma boa preparação, pensando na apresentação para os convidados da comunidade.
10
Foram momentos muito alegres, através dos vínculos com as pessoas da comunidade, especialmente as que fizeram oficinas, as conversas, na interação com as crianças, nos primeiros ensaios (muito riso e estranhamento), nos momentos de descanso, nas conversas e combinados entre nós, os oficineiros, no passeio no rio Pará, na apresentação final da oficina, depois dela, em momento de descontração com os jovens da comunidade, na apresentação do Grupo Kabana, que encantou e envolveu a todos.

História enviada pelo cacique

Kaxixó o segredo Cabôco
O cacique Djalma falou na sua gravação uma história que quem ler este texto vai ficar guardado na sua memória. A história Kaxixó começa assim:  Nois tem outra história pra contar aqui. Os índio nosso aqui, os mais novo num conhece e nois mais véio cunheceu os índios Kaxixó  Cabôclo.
Aqui  muita gente fala: Tem lugar que ocê escuta: ah fulano é Puri. Puri significa é índio Kaxixó caboclo. Os Puri morava dentro do rio. Aqui nois já é índio Kaxixó das  aldeias. Eles moravam era dentro do rio.
Eu vou falar dos índios das três aldeias. Aqui purim de nois, que é aqui no rumo, nois os índios furôu dentro do rio e, enquanto os outros drumia dentro do seco, que era mato, na aldeia. Então, ninguém mediava com eles, mas o dia que foi caçar eles pra matar, tocava dentro do rio, na loca.
Século sem nome, então aqueles menino que nasceram, já nasceram no outro mandamento. Então, tinha os índios Cabôclo. Mais aí ficou nois perto da beira do rio, tinha contato com eles. Então, tinha os índio do Til e da Mãe Joana. Sabe quê que eles fazia? nois num conhecia. , quando cê… Tem um jeito de matar peixe no rio: cê vai matando deixando por lá. Os índio do Til um dia chegôu aqui nesse aqui de cima, tão matano e deixano lá no rio, só atirava deixando eles lá, pra hora que es vim embora trazer um terno. quando ele desce lá, no rio, ele deu um tiro e gritou, ah! eu que tava lá no pasto fiquei bobo de ver índio de todo jeito, rapaz, moça, menino, e ele pegava meu peixe e jogava lá pra eles, é por isso, quando, cêis tá escutano, índio é de união, es repartia pedacin-pedacin um pro outro. – E ele gritava cum eles assim: não, num precisa de repartir pequeno não que eu vou jogar é tudo, e eu gritano cum ele: – Num joga o meu peixe não! – Não, hoje é o dia dos Cabôclo nosso, – Ah! mais nois conta que isso é bicho!? – Não! era pura pessoa, ele catava os peixe. Mais eu num sei a língua deles! Aqui tem, delesque eu deixei pra contar só agora. A Lenira mesmo é uma das Cabôcla. Ela tava cunversano de natureza a língua deles, mas quando pegou vindo dos estrangero pa entrevistar ela num fala mais e, e, agora aprendeu a ler, já tem outra história, cê tá vendo, se mandar ela cunversar ela num cunversa. cunversa por natureza.

Retorno:

De: jaciara sabrina jaciaracaxixo@gmail.com
Data: 2 de agosto de 2012 12:53
Assunto: Agradecimento
Para: Atebemg
Olá. Tubo bem?
Gostaria muito de agradecer a participação de todos voces aqui na comunidade, todos ficaram muitos impolgados e motivados com o insentivo que a oficina pode prorcionarmos. Estamos com várias ideias com o material que foi deixado para nós, esta oficina não terá fim ela veio para ser introduzida e somar na melhoria de nossa comunidade. Espero nos reencontrar novamente e termos novas experiencias.
Novamente nossos agradecimento por nos porporcionar momentos extraordinários, pois até hoje só se fala no ” Ei Boi”.
Obrigado e espero manter contato e conhecer a associação e especialmente você, Conceição.
Abraços
Atenciosamente
Jaciara Caxixó

9 comentários:

  1. Todos os integrantes desta (tribo) possuem registros em cartorio , de varias geracoes( avos, etc) q provam não ser indígenas e segundo vizinhos da área, eram funcionários das fazendas , sendo um dos fazendeiros o doador dessa ares para abriga los .Sao simplesmente Sem Terras, querendo aproveitar da situação . Indígenas todos nos somos , e o Brasil todo era ocupado , porque não indenizar essas terras de 150 anos de escritura e impostos pagos . Tem proprietário que comprou e pagou com o Servico , não herdou não . E um verdadeiro comunismo.

    ResponderExcluir
  2. Ser índio virou moda ! Assim quero também , com esses benefícios .

    ResponderExcluir
  3. Nem nos livros de Dona Joaquina existiam índios caxixos . Se querem virar índios , deveriam ir morar no mato , onde existe floresta e rios com peixes . Esses querem fazendas prontas com pastos, cercas, energia elétrica . Assim até eu quero.

    ResponderExcluir
  4. ESSE É O GOVERNO PT.

    ResponderExcluir
  5. isso nao vem do governo do PT isso ja em desde 1998.Porto ja que vc ta dando corda pra esses malandros doa sua fazenda, para indios caxixó,pois o que eles pedem as terras vao ate na Agropéu...kkkkk
    um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomar terras produtivas e com escrituras só no havermos PT acontece .

      Excluir
  6. CPI na FUNAI . Isso que deu !!!

    ResponderExcluir
  7. Porto não quer invasão de terras , mas quer o voto dos Índios . Kkk .

    ResponderExcluir
  8. Cpi cpi cpi cpi cpi .. Nesse comunismo .

    ResponderExcluir

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.