Postagem em destaque

Fofão leva pedrada na cabeça em Pompéu.

Em uma confusão com bêbados que estavam em um bar no bairro Loteamento em Pompéu quem levou a pior foi o personagem Fofão que acompanha...

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Fantasma das drogas atinge 91% dos municípios de Minas


Publicado no Jornal OTEMPO em 10/12/2012
Crack se espalha e já está presente em pelo menos 69% dos locais estudados
Se combater o uso de drogas não é tarefa fácil para a capital mineira, é um verdadeiro desafio para as cidades do interior do Estado. Segundo levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), em Minas Gerais, 734 municípios - 91% dos 805 pesquisados - enfrentam problemas com circulação de entorpecentes em seu território. 


O crack está presente em 555 cidades, ou 69%, tornando Minas o Estado campeão no uso desse entorpecente, seguido por São Paulo, onde o problema ocorre em 486 cidades. Dos 853 municípios mineiros, 805 responderam ao questionário da pesquisa, divulgada neste semestre. 


Enquanto as drogas se espalham nas cidades mineiras, apenas 43,6% dos municípios pesquisados disseram possuir programas de enfrentamento do crack e 20,3% possuem Conselhos Municipais Antidrogas (Comad). Os dois programas considerados essenciais no combate aos entorpecentes, o Centro de Assistência Psicossocial (Caps) e o Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas), estão presentes em 6,8% e 10,8% das cidades, respectivamente.

Para o presidente da Organização Não Governamental (ONG) SOS Drogas, Robert William, os municípios têm que criar o Comad. "O conselho precisa existir e ser operante para fazer as políticas antidrogas e articular as ações com toda a rede estadual", afirma. 


São inúmeras as famílias do interior do Estado que procuram a ONG pedindo ajuda porque não conseguem auxílio das prefeituras. É o caso da aposentada Conceição Gomes, 73, de São João Evangelista, no Vale do Rio Doce, que convive há 30 anos com um filho viciado em crack. "Nunca tive ajuda de ninguém na cidade. Gastei todo o meu dinheiro pagando clínicas para ele. Agora, minha filha viu que eu estava sofrendo muito e o levou para São Paulo", desabafa. 


Com mais de 200 mil habitantes, Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, tem programas de enfrentamento limitados. Atualmente, a cidade não recebe nenhum recurso específico. Uma mulher grávida usuária de drogas, por exemplo, não terá tratamento especializado e deverá ser atendida pela rede de saúde pública como uma paciente comum. "Faltam recursos para investir em políticas de combate", afirma o secretário de Desenvolvimento Social do município, Paulo Sérgio dos Prazeres.



DIFICULDADE. Na avaliação do subsecretário de Política sobre Drogas de Minas, Cloves Benevides, o fenômeno do crack se apresenta como um desafio para os municípios. "Todo o Estado tem necessidade de expansão dos serviços, mas temos um olhar mais estratégico sobre a região metropolitana, que concentra maior parte da população mineira", destaca. 


Minas é o Estado que receberá o segundo maior recurso federal até 2014 para enfrentamento ao crack. São R$147 milhões até o próximo ano, perdendo apenas para o Rio de Janeiro, que terá R$ 246 milhões. De acordo com Benevides, o Estado enviará, ainda, um recurso de R$ 48 milhões às cidades mineiras para expansão da rede de atenção psicossocial. O governador Antonio Anastasia afirmou que o combate ao crack será prioridade máxima do Estado no próximo ano.
CONSEQUÊNCIA
Entorpecente gera violência

Junto com o aumento do uso de drogas nos municípios, vem o crescimento da violência. Em Divinópolis, o número de homicídios cresceu 42,3% neste ano na comparação com o ano passado. Até novembro, foram 37 assassinatos, contra 26 no mesmo período de 2011. Segundo o secretário de Desenvolvimento Social da cidade, Paulo Sérgio dos Prazeres, 90% dos crimes estão ligados ao tráfico de drogas. "Convivemos com uma cracolândia e um alto nível de consumo". 


Para o sociólogo especialista em segurança pública Robson Sávio, as cidades precisam fazer um diagnóstico dos seus usuários e traçar um plano de ação que contemple a saúde e a segurança. "Hoje, a droga lícita ou a ilícita fazem parte da cultura do país. O problema é quando ela vem associada ao crime praticado por traficantes e usuários", destaca. 

O tenente da Polícia Militar de Lagoa da Prata, na região Central de Minas, Paulo Alexandre Cabral também afirma que a maioria dos crimes na cidade está ligada às drogas. "Temos muito problema com usuários e comércio intenso", diz. A cidade não possui Conselho Municipal Antidrogas (Comad) nem programa específico de combate ao crack. O setor da saúde é também afetado pelo uso de drogas, de acordo com a pesquisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.