Postagem em destaque

Atenção pompeano, você está sendo filmado

Olho Vivo: 20 câmeras instaladas em Pompéu Até dezembro, serão 23 câmeras de vídeo monitoramento em tempo real. Em reunião do Gabinete...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Polícia Federal mata índio no Mato Groso depois de receber flechadas.


Policiais federais entraram em confronto com índios na aldeia Teles Pires.
Operação Eldorado foi suspensa após a morte de um indígena no conflito.

Dhiego MaiaDo G1 MT
7 comentários
Os policiais federais que se envolveram em um confronto com índios da etnia Munduruku, na divisa de Mato Grosso com o Pará, nesta quarta-feira (7), deixaram a aldeia Teles Pires, o local do conflito que terminou com um índio morto, outros dois feridos, além de mais quatro policiais que acabaram atingidos por flechas. Os policiais federais se deslocaram para a cidade de Alta Floresta, a 800 quilômetros de Cuiabá.
O conflito, segundo informou a PF, ocorreu no momento em que os policiais se preparavam para destruir uma balsa utilizada supostamente para a extração ilegal de ouro no Rio Teles Pires. A ação fazia parte da Operação Eldorado, que foi desencadeada em Mato Grosso e outros seis estados, mas, por conta do conflito, acabou suspensa por tempo indeterminado.
Nesta quinta-feira (8), um grupo de 17 índios se deslocou para prestar depoimento na Delegacia da Polícia Federal em Sinop, a 503 quilômetros de Cuiabá. Três delegados da PF passaram o dia colhendo depoimentos. Ainda não é possível afirmar se os indígenas, após os depoimentos, poderão retornar à aldeia.
Morte
O corpo do índio morto no conflito foi encontrado quase 24 horas depois de ter sido baleado nas águas do rio Teles Pires. A vítima foi encontrada pelos próprios indígenas. Ele seria pai de sete a oito filhos. Além dele, outros dois índios se feriram gravemente e acabaram sendo levados de helicóptero, primeiramente, para o Hospital Regional de Alta Floresta.
Nesta quinta-feira, os dois foram transferidos para o Pronto-Socorro de Cuiabá. De acordo com a assessoria de imprensa da unidade hospitalar, ambos estão em estado de observação e não correm risco de morrer. Os policiais federais feridos no conflito foram atendidos na própria aldeia e passam bem.
O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) classificou, por meio de nota, a ação policial como truculenta. Segundo o conselho, durante a presença dos agentes, a aldeia ficou sitiada. A nota salientou a disparidade entre o armamento usado pelos policiais com o dos indígenas que estariam com arco e flecha artesanais.
O Cimi destacou ainda que a aldeia não mantém atividade garimpeira em suas terras. A informação contrapõe a que foi prestada pelo coordenador da Funai em Alta Floresta, Clóvis Nunes. Ele disse ao G1 que os índios recebem uma porcentagem dos lucros obtidos pelo garimpo instalado no rio Teles Pires. “Lá existe atividade garimpeira feita no leito do rio. Muitas dragas e balsas atuam na região e os índios recebem uma porcentagem dos lucros obtidos pelos garimpeiros”, destacou Nunes.
O Ministério Público Federal (MPF) solicitou informações sobre a operação à presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marta Maria do Amaral Azevedo, e ao superintendente da Polícia Federal, César Augusto Martinez. O comunicado do MPF pede que as informações contenham as medidas tomadas pelos órgãos para a mediação do conflito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados. Não serão aceitas as seguintes mensagens:
Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas; acusações sem provas, citando nomes de pessoas, se deseja fazer algum tipo de denúncia envie por e-mail que vamos averiguar a veracidade das denúncias, sendo esta verdadeira e de interesse coletivo será divulgada, resguardando a fonte.
Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie; Que caracterizem prática de spam;
Fora do contexto do blog.
O Blog do Experidião:
Não se responsabiliza pelos comentários dos freqüentadores do blog;
Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;
Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;
Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.